VAMOS FALAR SOBRE A PREVENÇÃO DO SUICÍDIO?

with Nenhum comentário

Fábio Rodrigo de Mendonça

Advogado, Tesoureiro da Comissão de Direito Médico e da Saúde da 48ª Subseção da OAB/MG.

 

Email: fabiorodrigo.advmg@gmail.com

Estamos aproximando do mês de setembro que atualmente trabalha a conscientização sobre a prevenção do suicídio. Neste período o assunto é tratado com mais ênfase. Infelizmente o suicídio ainda é um tabu, ele vem essencialmente, de um estado depressivo, que por sua vez, pode ser causado por inúmeros gatilhos, entre eles: – a solidão, falta de dinheiro, problemas familiares e pessoais, bem como aceitação e crises existenciais, são alguns dos fatores que podem levar a essa tragédia, em que se pensando que tirar a própria vida é uma decisão extrema e difícil para fugir do que é considerado um problema sem solução.

A melhor forma de prevenção é buscar identificar os primeiros sintomas para que possa agir a tempo e buscar o devido tratamento. Por outro lado, a conversa pode abrir caminhos, apresentar alternativas diversas que passam longe de indicar uma possibilidade, que seria o suicídio. Levar em conta os menores sinais faz toda a diferença, muitas vezes o diálogo até acontece.

Quem ouve uma pessoa falar que não tem mais vontade de viver e que muitas vezes tem vontade de tirar a própria vida, pode acabar por não dar a devida atenção a essa fala tão séria. Assim, o esperado é que além de não ignorar esse tipo de fala é necessário observar aos sinais, que podem indicar possível depressão.

Algumas manifestações não devem ser interpretadas como ameaças nem como chantagens emocionais, mas sim como avisos de alerta para um risco real. Pessoas sob o risco de suicídio costumam falar sobre morte, confessam se sentir sem esperanças, culpadas, frustradas, com falta de autoestima e tem visão negativa de sua vida e do seu próprio futuro.

As situações de maior risco estão relacionadas a abusos e violências interpessoais como bullyng, cyberbullying, depressão, transtornos de ansiedade, Síndrome de Burnot, além de outros transtornos decorrentes ou diretamente vinculados a quadro de impulsividade.

Além do diagnóstico clínico psiquiátrico, o principal motivo que leva a decisão de interromper a própria vida decorre do esvaziamento do sentimento de viver. Por que vale a pena continuar vivendo, se a dor, solidão, desesperança e tristeza são maiores do que a força que mantém a pessoa viva?

Então, se souber de alguém nesse estado, busque ser rápido, pois qualquer descuido pode ser irreversível. Se esta pessoa com quem você está preocupado vive com você, verifique e busque assegurar-se que ela não tenha meios de ceifar a própria vida, como por exemplos: remédio, pesticidas, arma de fogos ou até mesmo cordas, entre outros elementos e objetos.

Deixe claro para toda pessoa que tem pensamentos suicidas que ela tem que decidir lutar, e faça-a trocar esses pensamentos de morte por pensamentos de esperança de vida e de paz. E ao desesperançado, busque em quem você ama a verdadeira resposta para continuar sua vida, busque reinventá-la diariamente, pois a única coisa que não tem solução nessa vida é a morte. Procurar ajuda de pessoas confiáveis  é a melhor alternativa sempre, para que possam te dar o apoio necessário. Depressão não é frescura.

Em reflexão ao Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, a OAB Divinópolis irá lançar a CAMPANHA OAB PELA VIDA no dia 01/09/19 a partir das 07:00h na Praça dos Ferroviários, bairro Esplanada, durante o horário da 1ª Corrida e Caminhada da OAB Divinópolis. Venham participar e fomentar esse ato de vida e conscientização a toda a população.

Fábio Rodrigo de Mendonça – Advogado, Tesoureiro da Comissão de Direito Médico e da Saúde da 48ª Subseção da OAB/MG.

Email: fabiorodrigo.advmg@gmail.com